Manifestantes pedem por asfalto na Marginal dos Cavalos em Itapetininga

Manifestantes pedem por asfalto na Marginal dos Cavalos em Itapetininga
Cerca de 50 pessoas estiveram no local com cartazes e com carro de som.
Prefeitura disse que serão adotadas medidas paliativas até início das obras.
Do G1 Itapetininga e Região



 Moradores fizeram manifestação por asfalto em avenida (Foto: Arquivo Pessoal/ Geraldo Carvalho)
Moradores fizeram manifestação por asfalto em
avenida (Foto: Arquivo Pessoal/ Geraldo Carvalho)
Pelo menos 50 pessoas, segundo a organização, participaram de um protesto na Marginal dos Cavalos na manhã desta quarta-feira (19), em Itapetininga (SP). Com cartazes e carro de som, os moradores das vilas Reis e Regina pediram por aslfato, já que o trecho da avenida é de terra.
"Essa poeira, no fim da tarde, invase nossas casas e, além de sujeira, traz problemas de saúde", reclama a organizadora do manifesto Vera Ruivo. A manifestação foi pacífica e não houve incidentes. A Guarda Municipal acompanhou o ato.
Resposta da prefeitura
A Prefeitura informou que, no dia, 17 de agosto, atendeu o prefeiti atendeu uma comissão de moradores da Vila Reis que pleitearam melhorias na Marginal dos Cavalos e no bairro. Na reunião foram demonstrados pelas Secretarias de Governo e de Obras e Serviços os projetos para melhorias na avenida e o cronograma de recapeamento de 10 ruas no bairro.
saiba mais
Moradores protestam contra o
governo na região de Itapetininga
Informou ainda, por meio de nota, que a obra na Marginal dos Cavalos será licitada no dia 9 de setembro e as obras iniciadas ainda neste semestre. As ruas recapeadas na Vila Reis são: Rua Octavio de Almeida, Rua Cap. Sinezio Pontes, Rua Lacy V. Campos, Rua Virgílio Lopes, Rua Oscar Alves, Rua Mery Gomes Bordinhão, Rua Amancio M. Oliveira, Rua Sebastião Fernandes, Rua Durval R. Reis, Rua Hélio Randi.
"Na reunião ficou estabelecido entre as secretarias e moradores que serão adotadas medidas paliativas até o início das obras na Marginal dos Cavalos, com o intuito de diminuir a poeira que tem incomodado a população", finalizou em nota a assessoria.

Osasco vai molhar terreno da Unifesp para evitar novas 'nuvens de poeira

Osasco vai molhar terreno da Unifesp para evitar novas 'nuvens de poeira


Vento levou a poeira de terreno onde será erguida unidade da universidade.
Há quase um mês não chove em São Paulo.



A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a prefeitura de Osasco, na região metropolitana de São Paulo, afirmam que já tomaram providências para molhar o terreno de onde saiu uma "nuvem de poeira" provocada por uma forte ventania, no início da tarde desta quarta-feira (19) com água de reuso (não potável). Os ventos atingiram 37 km/h, segundo a defesa civil. No terreno será erguida uma nova unidade da Unifesp.
O SPTV mostrou  imagens de uma nuvem de areia, terra e poeira que tomou conta da região oeste da Grande São Paulo no início da tarde (veja acima). A "tempestade" de areia e terra foi provocada pelo vento que atingiu um grande terreno livre na região de Osasco.
A prefeitura de Osasco informou que a Prefeitura deverá jogar água na região como medida para minimizar os impactos ambientais. Equipes da Defesa Civil também monitoram a área. Outras medidas também estão sendo estudadas, como a possibilidade do plantio de árvores.
A Unifesp informou que o terreno localizado no bairro Quitaúna, em Osasco, pertence à universidade e abrigará os cursos da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (administração, economia, relações internacionais, contabilidade e ciências atuariais) e o curso de direito.
"O projeto executivo do edifício acadêmico, paisagismo e estacionamentos, que serão implantados no terreno, foi concluído e está em fase final de aprovação na prefeitura de Osasco. A licitação de obra já foi publicada e a abertura de envelopes de habilitação das construtoras ocorre no dia 1 de setembro."
São Paulo está há quase um mês sem chuvas, o que tem provocado tempo seco e problemas respiratórios na população.
Poeira partiu de grande terreno livre em Osasco (Foto: TV Globo/Reprodução)
Poeira partiu de grande terreno livre em Osasco (Foto: TV Globo/Reprodução)
saiba mais

x

Atropelamento foi em avenida, e não na ciclovia do Minhocão, diz ciclista

Atropelamento foi em avenida, e não na ciclovia do Minhocão, diz ciclista
Homem de 78 anos morreu após ser atingido por bicicleta.
Segundo ciclista, pilastra de sustentação do elevado impediu visão de ambos.



O ciclista que atropelou um idoso na região do Minhocão, no Centro de São Paulo, prestou depoimento na tarde desta quarta-feira (19). Em entrevista ao G1, Gilmar Raimundo de Alencar explicou que o acidente não aconteceu na ciclovia que fica sob o elevado, como chegou a ser noticiado, mas na faixa de ônibus da Avenida General Olímpio da Silveira. O aposentado Florisvaldo Carvalho da Rocha, de 78 anos, morreu horas depois do acidente.
Segundo Alencar, administrador de fazendas de 45 anos, ele pedalava na faixa de ônibus da avenida, para alcançar a guia rebaixada de acesso à ciclovia alguns metros à frente.
saiba mais
Homem morre atropelado por ciclista na ciclovia embaixo do Minhocão
Polícia busca imagens de trecho de ciclovia onde idoso foi atropelado
“Eu estava prestando atenção no trânsito, estava com o foco na frente. Não tive a menor chance de reação”, disse. “Não estava na ciclovia, estava na rua. Ia acessar a ciclovia. Estava fazendo a trajetória da pista e o impacto se deu na rua, na faixa de ônibus, um pouco antes do acesso da ciclovia o canteiro a 50m”, disse.
Para o ciclista, a pilastra pode ter impedido que o idoso enxergasse a bicicleta e levado a vítima a atravessar a rua bem em frente ao seu trajeto. “Ele caiu na rua. Caímos os dois. Então o coloquei na calçada, perto da ciclovia, para poder prestar socorro”, afirmou. “A pilastra prejudicava minha visão da calçada, mas quem provavelmente ficou prejudicado foi o pedestre, que não me viu e se pôs na minha frente.”
O ciclista disse que socorreu o idoso deitando o aposentado no canteiro central da avenida, sob o Minhocão, ao lado da ciclovia. A vítima foi levada para o hospital mas não resistiu. Alencar chegou a ir ao prédio onde o aposentado mora, bem próximo ao local do acidente, para saber sobre seu estado de saúde, onde foi informado da morte de Rocha.
De acordo com o delegado Lupércio Dimov, do 23º DP em Perdizes, o ciclista disse em seu depoimento que pedalava a aproximadamente 20 km/h. Foi Alencar quem chamou o resgate e chegou a ir até a casa da vítima, segundo Dimov, descobrindo por seus familiares que o idoso havia falecido.
O delegado solicitou à Polícia Técnico-Científica um laudo técnico sobre a dinâmica do atropelamento para avaliar se as pilastras teriam, de fato, influenciado o incidente. A Polícia Civil também busca câmeras de segurança para obter detalhes sobre o atropelamento.
Pedestres caminham pela ciclovia do Minhocão (Foto: Márcio Pinho/G1)
Pedestres caminham pela ciclovia do Minhocão (Foto: Márcio Pinho/G1)
Sinalização
A ciclovia sob o Minhocão foi inaugurada há dez dias. O trecho é palco de conflito entre ciclistas, usuários de ônibus e pedestres.
A sinalização não determina que os usuários de ônibus têm que sair ou deixar os pontos de ônibus a partir de faixas de pedestres que ficam ao lado desses pontos. Assim, andam um bom trecho embaixo do canteiro central e se arriscam principalmente perto dos pilares, onde as ciclovias fazem curvas e é impossível ver quem está vindo do outro lado.
O problema se repete perto de outros pontos de ônibus da ciclovia, que passa ao longo de 50 pilares do Minhocão, entre a região da Barra Funda e o Centro de São Paulo.
A presença de pedestres atravessando fora das faixas também é motivo de riscos no novo serviço, especialmente se o pedestre pisa no canteiro central perto dos pilares. A Prefeitura de São Paulo chegou a instalar gradis bem ao lado dos pilares, mas os pedestres passam ao lado deles a todo momento.
O Secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disse que o atrolemanto foi "uma tragedia". "Lamentamos profundamente. Não podemos ficar culpando o ciclista. Temos de verificar o inquérito e ver o que aconteceu. Se precisar fazer ajustes (na ciclovia), vamos fazer", afirmou.
O prefeito Fernando Haddad pediu apuração do caso. "Obviamente vamos acompanhar o inquérito para saber o que aconteceu. São cerca de 3 a 4 mortes por dia na cidade de São Paulo. Já vi acidentes no Parque Ibirapuera entre ciclistas e pedestres", disse Haddad.
Neste trecho a ciclovia faz uma curva e obriga o ciclista a frear bruscamente, como mostram as marcas de pneus na pista (Foto: Marcio Pinho/G1)
Neste trecho a ciclovia faz uma curva e obriga o ciclista a frear bruscamente, como mostram as marcas de pneus na pista (Foto: Marcio Pinho/G1)

Barragem De Pedra Fina dia 18 - 08 - 2015 - Barragem Palmeirinha Bom Jardim / Machados pe Dia 18/08/15 barragem de pindobinha em bom jardim







Arrecadação cai em julho e tem pior desempenho para o mês em 5 anos

Arrecadação cai em julho e tem pior desempenho para o mês em 5 anos
No mês passado, arrecadação somou R$ 104,8 bilhões, diz Receita.
Até julho, valor arrecadado totalizou R$ 712 bilhões, queda real de 2,91%.
Alexandro Martello
Do G1, em Brasília



A arrecadação de impostos e contribuições continuou sofrendo, em julho, os efeitos da crise econômica e do baixo nível de atividade e teve desempenho ruim para o mês - apesar do aumento de vários tributos autorizado no começo deste ano - segundo dados da Secretaria da Receita Federal divulgados nesta terça-feira (18).
Arrecadação em meses de julho
Em R$ bilhões (valores corrigidos pelo IPCA)
97,04
117,72
109,05
110,02
108,26
104,86
Ano 2010
Ano 2011
Ano 2012
Ano 2013
Ano 2014
Ano 2015
0
50
100
150

No mês passado, a arrecadação federal somou R$ 104,8 bilhões e, com isso, teve queda real de 3,13% sobre o mesmo mês de 2014. Este foi o pior desempenho, para meses de julho, desde 2010, ou seja, dos últimos cinco anos. O fraco resultado aconteceu apesar do ingresso, no mês passado, do pagamento de R$ 2,3 bilhões pelas empresas relativo ao pagamento de impostos atrasados.
"O comportamento da arrecadação decorre de uma conjugação de fatores, todos eles vinculados à atividade econômica. A forte desaceleração da atividade econômica impactou muito fortemente a arrecadação tributária", declarou o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias.
Segundo ele, alguns tributos têm comportamento muito "aderente" (ligado) ao desempenho do consumo e do comércio varejista, enquanto outros têm comportamento muito próximo ao desempenho da indústria. "E outros à perspectiva de resultados positivos, como o IR e a CSLL. Em um momento de incertezas, isso gera impacto forte sobre o IR e a CSLL", acrescentou o representante do Fisco.
Queda de 2,91% no ano
Já no acumulado dos sete primeiros meses deste ano, informou o Fisco, a arrecadação totalizou R$ 712,07 bilhões – com queda real de 2,91% frente ao mesmo período do ano passado. Este foi o pior resultado, para este período, desde 2010, informou a Receita Federal.
O desempenho ruim da arrecadação, neste ano, foi registrado mesmo com a entrada de R$ 10 bilhões em receitas extraordinárias (débitos em atraso, transferência de ativos entre as empresas e remessas ao exterior em razão da alienação de ativos).


AJUSTE FISCAL
Governo corta gastos e sobe impostos
entenda
efeitos para os brasileiros
medidas do ajuste
Atividade fraca e desonerações
De acordo com dados da Receita, a arrecadação ainda refletiu, nos sete primeiros meses deste ano, o baixo nível de atividade econômica. Neste período, produção industrial recuou 5,82%, as vendas de bens e serviços caíram 5,67% e o valor em dólar das importações recuou 22,50%, apesar do aumento de 5,44% na massa salarial.
Ao mesmo tempo, o governo também informou que as desonerações de tributos feitas nos últimos anos – parcialmente revertidas no início de 2015, em alguns casos – também geraram queda da arrecadação de janeiro a julho deste ano.
De acordo com a Receita Federal, as reduções de tributos realizadas nos últimos anos tiveram impacto de queda na arrecadação de R$ 62,63 bilhões nos sete primeiros meses de 2015.
Alta de impostos
Apesar das reduções de tributos feitas nos últimos anos, o governo começou a aumentar impostos em 2015. Logo no início deste ano, o governo elevou o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis, que retornou para as chamadas "alíquotas cheias". O carro 1.0, por exemplo, passou a ser tributado em 7% pelo IPI, contra a tributação anterior de 3%. A expectativa do governo é de arrecadar até R$ 5 bilhões a mais neste ano com a medida.
Em 21 de janeiro, a nova equipe econômica subiu o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide nas operações de crédito para o consumidor. A alíquota passou de 1,5% para 3% ao ano (o equivalente à alta de 0,0041% para 0,0082% por dia). Esse valor está sendo cobrado além dos 0,38% que incidem na abertura das operações de crédito. Com essa medida, o governo espera arrecadar R$ 7,38 bilhões neste ano.
Além disso, também já foi elevada, no início de fevereiro, a tributação incidente sobre a gasolina e o diesel. Segundo o Fisco, o impacto do aumento da tributação será de R$ 0,22 para a gasolina e de R$ 0,15 para o diesel. A expectativa do governo é arrecadar R$ 12,18 bilhões com esta medida em 2015.
Desde o início de maio, também está valendo o aumento de tributos sobre cosméticos. Além disso, também já está valendo a alta da tributação sobre produtos importados.
No começo de maio (com impacto na arrecadação somente em junho), o governo adotou um novo modelo de tributação sobre o setor de bebidas frias – que engloba cervejas, refrigerantes, águas, energéticos e isotônicos. De acordo com a Receita Federal, está havendo um aumento médio da tributação dos produtos em cerca de 10%.
Arrecadação por tributos
A Receita Federal informou que o Imposto de Renda arrecadou R$ 202 bilhões com o Imposto de Renda de janeiro a julho deste ano, com queda real de 0,77% sobre o mesmo período do ano passado (R$ 203 bilhões). Os números foram corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
No caso do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), a arrecadação somou R$ 77,95 bilhões de janeiro a julho, com queda real de 9,93% sobre o mesmo período ano anterior.
Sobre o IR das pessoas físicas, o valor arrecadado totalizou R$ 19,27 bilhões na parcial de 2015, com recuo real de 2,18%. Já o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) arrecadou R$ 104,79 bilhões nos primeiros sete meses do ano, com alta real de 7,66% sobre igual período de 2014.
Com relação ao Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI), os números do Fisco mostram que o valor arrecadado somou R$ 23,53 bilhões nos sete primeiros meses deste ano, com queda real de 0,41% sobre o mesmo período do ano passado.
No caso do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), houve uma alta real de 10,22%, para R$ 20,32 bilhões, de janeiro a julho deste ano. Neste caso, a arrecadação foi influenciada pela alta do tributo, que já foi recomposto no início deste ano.
A Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), por sua vez, arrecadou R$ 118,88 bilhões nos sete primeiros meses deste ano, com queda real de 3,18%, enquanto a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) registrou arrecadação de R$ 41,78 bilhões no acumulado de 2015, com recuo real de 8,71%.
Meta fiscal
O fraco comportamento da arrecadação neste ano, apesar do aumento de tributos autorizado pelo governo no começo de 2015, não facilita o cumprimento da meta de superávit primário (a economia para pagar juros da dívida pública e tentar manter sua trajetória de queda) em 2015.
Inicialmente, a meta foi fixada pela equipe econômica em R$ 66,3 bilhões para todo o setor público (governo, estados, municípios e empresas estatais) em 2015. No mês passado, porém, o governo anunciou que a meta foi reduzida para 0,15% do PIB, ou R$ 8,74 bilhões.
Além de aumentar tributos, o governo também atuou na limitação de benefícios sociais, como o seguro-desemprego, o auxílio-doença, o abono salarial e a pensão por morte, medidas já aprovadas pelo Congresso Nacional e sancionadas pela presidente da República. Além disso, também quer elevar tributos sobre a folha de pagamentos - revertendo parcialmente a desoneração autorizada nos últimos anos.
O governo também está atuando do lado da contenção de gastos, principalmente de investimentos. Em maio, foi anunciado um bloqueio de R$ 69,9 bilhões em recursos do orçamento de 2015 e, em julho, a equipe econômica informou que foi autorizado um bloqueio adicional de R$ 8,6 bilhões nos gastos dos ministérios.

Avião desaparecido com 54 a bordo é encontrado após queda na Indonésia

Avião desaparecido com 54 a bordo é encontrado após queda na Indonésia
Aeronave da Trigana Air Service desapareceu na província de Papua.
Avião levava 44 passageiros adultos, 5 tripulantes e 5 crianças e bebês.
Do G1, em São Paulo



 Mãe de um passageiro da Trigana Air (centro) deixa escritório da companhia aérea em Jacarta neste domingo (16)  (Foto: Reuters/Rosa Panggabean/Antara )
Mãe de um passageiro da Trigana Air (centro) deixa escritório da companhia aérea em Jacarta neste domingo (16) (Foto: Reuters/Rosa Panggabean/Antara )
Um avião de passageiros da Indonésia transportando 54 pessoas que havia perdido o contato com o controle de tráfego aéreo neste domingo (16) foi encontrado após o acidente. "Temos informação procedente de residentes que o avião da Trigana Air foi achado em uma montanha do subdistrito de Okbape", anunciou em entrevista coletiva em Jacarta o diretor-geral de Aviação do Ministério indonésio de Transportes, M. Prasetyo.
Ele disse ainda que as equipes de buscas chegarão na manhã desta segunda-feira ao local e que ainda não há informações sobre sobreviventes. Veja o que já se sabe sobre o acidente até o momento:

Trajeto
O avião modelo ATR 42 da Trigana Air Service partiu em um voo doméstico de Jayapura, capital da província de Papua, com destino a Oksibil, distrito que também fica em Papua, na Indonésia.

Número de ocupantes
No avião, havia 54 pessoas, sendo 44 passageiros adultos e cinco crianças e bebês, além de cinco tripulantes.



Horários e perda de contato
O voo tinha duração prevista de 54 minutos e teria desaparecido 33 minutos depois de decolar. A tripulação não teria relatado nenhum problema durante o voo.

O avião decolou do Aeroporto Sentani, em Jayapura, às 14h22 do horário local (2h22 do horário de Brasília) e deveria pousar em Oksibil às 15h16 do horário local (3h16 do horário de Brasília). O avião perdeu contato às 14h55 do horário local (2h55 do horário de Brasília).

Como foi encontrado
Moradores da área relataram que viram a queda do avião às autoridades e o diretor-geral de Aviação do Ministério indonésio de Transportes, M. Prasetyo, confirmou que a aeronave foi encontrada em uma montanha do subdistrito de Okbape, com base no relato dos moradores.

Buscas
As autoridades da Indonésia decidiram suspender as buscas devido ao mau tempo e às condições da área, que é montanhosa e extremamente íngreme. Os trabalhos serão retomados na manhã desta segunda-feira.

Sobreviventes
Não há informações sobre sobreviventes.



Queda
A aeronave desapareceu na região leste da Papua, segundo a Agência Nacional de Pesquisa e Resgate da Indonésia (Basarnas). Moradores da área relataram que viram a queda do avião. "Recebemos relatos de moradores. Nós, juntamente com a equipe de busca e resgate, também enviaremos aviões para procurá-lo", disse o diretor de operações da Trigana, Beni Sumaryanto.
Tempo ruim
Depois de o avião perder contato, a companhia aérea indonésia ordenou que outra aeronave fizesse o mesmo percurso para tentar localizar o avião desaparecido. "O tempo estava muito ruim, o avião não encontrou o outro e voltou para Sentani. Oksibil é uma zona montanhosa, onde o tempo é muito imprevisível. De repente, pode ficar nebuloso, escuro e com ventania, sem aviso prévio", explicou Sumaryanto.
Foto de arquivo de dezembro de 2010 mostra avião da Trigana Air Service ATR42-300, similar ao que desapareceu em Papua-Nova Guiné (Foto:  AP Photo)
Foto de arquivo de dezembro de 2010 mostra avião da Trigana Air Service ATR42-300, similar ao que desapareceu em Papua (Foto: AP Photo)
Em busca de explicações
Antes da confirmação do acidente, um porta-voz da polícia de Papua, Patridge Renwarin, afirmou à TV local que alguns habitantes haviam visto um avião cair e que as autoridades locais se dirigiam para a região para investigar o ocorrido.

"Suspeitamos claramente que é um problema relacionado com o tempo. Não se trata de uma superlotação, já que o avião podia transportar 50 passageiros", assegurou Sumaryanto.

O porta-voz do Ministério dos Transportes, J.A. Barata, confirmou que o avião perdeu contato e disse que o aparelho tinha previsão de chegar a Oksibil pouco depois das 15h, hora local.
"Ainda não estamos seguros do que aconteceu ao avião, estamos coordenando com as autoridades locais", afirmou à AFP antes da confirmação do acidente. Segundo ele, a tripulação não chegou a avisar que haveria problemas durante o voo.
"O tempo é agora muito ruim na zona, está muito escuro e nublado. Não é propício para uma busca. A área é montanhosa", acrescentou Barata, após decisão de suspender as buscas e retomá-las só na segunda-feira pela manhã.
 Pessoas entram no escritório da Trigana Air em Jacarta, na Indonésia, neste domingo (15); avião da companhia desapareceu em uma região montanhosa de Papua-Nova Guiné (Foto: Reuters/Darren Whiteside)
Pessoas entram no escritório da Trigana Air em Jacarta, na Indonésia, neste domingo (15); avião da companhia desapareceu em uma região montanhosa de Papua-Nova Guiné (Foto: Reuters/Darren Whiteside)
Em entrevista à CNN, o analista de aviação Mary Schiavo disse que há muitas razões possíveis para a aparente falta de uma chamada de socorro. Pode indicar que os membros da tripulação estavam ocupados demais lidando com qualquer outra situação e não tiveram tempo de enviar algum aviso ou simplesmente não perceberam que estavam em apuros.

Autoridades disseram que o tempo estava claro quando o avião decolou, mas o meteorologista ouvido pela CNN disse que havia algumas tempestades sobre uma área montanhosa no trajeto do voo.

O clima pode piorar nos próximos dias, possivelmente impedindo os esforços de resgate em uma área com montanhas de até 3 km de altura (10 mil pés). O transporte aéreo é bastante usado em Papua, a província mais ao leste da Indonésia, onde viagens por terra são frequentemente impossíveis.
 Funcionários do sistema nacional de busca e resgate da Indonésia analisam mapa do terreno onde avião se acidentou neste domingo (16)  (Foto: Indrayadi/AFP)
Funcionários do sistema nacional de busca e resgate da Indonésia analisam mapa do terreno onde avião se acidentou neste domingo (16) (Foto: Indrayadi/AFP)
'Lista negra'
De acordo com a France Presse, a Trigana foi colocada na lista negra de companhias da União Europeia desde 2007, pelo número de incidentes registrados. As aeronaves da empresa estão proibidas de passar pelo espaço aéreo europeu devido a preocupações sobre padrões de segurança.
A Trigana Air teve 14 sérios incidentes desde que começou a operar em 1991. A empresa é uma pequena companhia aérea que oferece voos domésticos para 40 destinos na Indonésia. A companhia utiliza pequenos aviões na remota e montanhosa Papua, e as más condições climáticas causaram vários acidentes nos últimos anos.
Parentes de passageiros de um avião que se acidentou na Indonésia aguardam informações no aeroporto de Jayapura neste domingo (16) (Foto:  Indrayadi/AFP)
Parentes de passageiros de um avião que se acidentou na Indonésia aguardam informações no aeroporto de Jayapura neste domingo (16) (Foto: Indrayadi/AFP)
Na quarta-feira (12), um avião Cessna da companhia indonésia Komala Air caiu no distrito de Yahukimo, na Papúa, matando uma pessoa e ferindo gravemente outras cinco. As autoridades consideraram que o mau tempo foi responsável pelo acidente.

O setor aéreo indonésio está crescendo rapidamente assim como a economia do país asiático, e cada vez mais as pessoas usam avião para se deslocar pelo país, um imenso arquipélago.

Mas as companhias aéreas têm dificuldade de encontrar técnicos e pilotos bem treinados para acompanhar o ritmo de crescimento do setor.
Outros acidentes no país
Um avião da AirAsia que viajava da cidade indonésia de Surabaia para Cingapura caiu em dezembro do ano passado no mar de Java durante uma tempestade, matando os 162 ocupantes. O Airbus desapareceu cerca de 40 minutos após decolar.
Em junho deste ano, mais de 140 pessoas morreram na queda de um avião militar Hércules na Indonésia. O avião decolou de uma base militar e explodiu dois minutos depois sobre uma zona residencial.
Aeronave da Trigana Air Service perdeu contato com controle, anuncia perfil da Basarnas no Twitter (Foto: Reprodução/Twitter/Badan SAR Nasional)
Aeronave da Trigana Air Service perdeu contato com controle, anuncia perfil da Basarnas no Twitter (Foto: Reprodução/Twitter/Badan SAR Nasional)


Manifestantes pró-governo fazem ato em frente ao Instituto Lula, em SP #‎PEDRAFINANOTICIASPROTESTOSPELOBRASIL‬

Manifestantes pró-governo fazem ato em frente ao Instituto Lula, em SP
Grupo demonstra apoio ao governo e faz oposição ao ato na Av. Paulista.
Ato tem churrasquinho e grupo de discussão sobre 'coxinhas'.
Flávia Mantovani
Do G1 São Paulo
#‎PEDRAFINANOTICIASPROTESTOSPELOBRASIL‬









O Instituto Lula, na Zona Sul de São Paulo, recebe no início da tarde deste domingo (16) um grupo de manifestantes que apoiam o governo de Dilma Rousseff. Vestidos com camisa vermelha, eles estão na sede do instituto, no bairro do Ipiranga, para fazer um contraponto à manifestação contra o governo que acontece na Avenida Paulista, na região Central. Algumas centrais sindicais e organizações de movimentos sociais participam do ato.
Segundo os organizadores, o ato contou com a participação de 5 mil pessoas. A Secretaria de Segurança Pública ainda não divulgou a estimativa da Polícia Militar no evento.


MANIFESTAÇÕES: 16/08
Atos são contra o governo Dilma
tempo real
mapa com estimativas
como foram os atos
fotos: nacional
SIGA: Manifestações pelo país
Manifestantes pro-governo gritavam palavras de ordem em frente ao instituto Lula. Alguns vestem coletes da CUT e camisas com os dizeres " defesa da democracia". Eles gritam "Não vai ter golpe!", "O Lula é meu amigo, mexeu com ele mexeu comigo" e "O povo na rua/ coxinha recua".
Enquanto isso, um grupo cuidava de fazer churrasquinho para vender aos participantes do evento. Em frente ao Instituto Lula, professores universitários e intelectuais de esquerda discutem o "conservadorismo" e o "fenômeno dos coxinhas" em uma tenda do evento Jornada pela Democracia. "Quem são os coxinhas? Que fenômeno é esse?", diz uma organizadora ao microfone. Outro palestrante pede a "desgourmetizaçao das ruas".
Segundo metalúrgicos que se manifestam a favor do governo, cerca de 30 ônibus organizados pelo sindicato da categoria saíram do ABC levando pessoas para o Instituto Lula. O ato contou ainda com a participação da cartunista Laerte, que esteve em uma mesa de debate sobre política, democracia e amor. Durante a discussão, afirmou que não está defendendo o governo, mas que "não vai ter golpe". "Falta amor na democracia e democracia no amor. O amor também precisa ser objeto de atenção, assim como a democracia", disse.
Durante o ato, o presidente da CUT, Vagner Freitas disse que estava lá para defender o ex-ministro José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Freitas os chamou de “guerreiros do povo brasileiro”. Ele criticou também o ex-presidente FHC, segundo ele um "sociólogo que fala mil línguas e vendeu o Brasil a preço de banana".

Freitas também explicou uma frase dita, nesta quinta-feira (13), durante um evento em Brasília. Ele falou em "ir para as ruas entrincheirados, de arma na mão, se tentarem derrubar a presidenta". O presidente da CUT afirmou que foi mal interpretado e que “a nossa arma é a democracia, é a mobilização, são as greves, são os sindicatos fortes e organizados em defesa da democracia e contra o retrocesso”. Ele disse que recebeu ameaças nas redes sociais após as declarações (veja o vídeo abaixo).
Cartunista Laerte participa de debates em frente ao Instituto Lula (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Cartunista Laerte participa de debates em frente ao Instituto Lula (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Presidente da CUT, Vagner Freitas, fala em frente ao Instituto Lula (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Presidente da CUT, Vagner Freitas (de branco), fala em frente ao Instituto Lula (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Grupo concentrado em frente ao Instituto Lula, em São Paulo (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Grupo concentrado em frente ao Instituto Lula, em São Paulo (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Manifestação de apoio ao governo no Instituto Lula (Foto: Flavia Mantovani/G1)
Manifestação de apoio ao governo no Instituto Lula (Foto: Flavia Mantovani/G1)
Evento em frente ao Instituto Lula, em São Paulo (Foto: Flávia Mantovani/G1)
Evento em frente ao Instituto Lula, em São Paulo (Foto: Flávia Mantovani/G1)
o técnico de informática Evandro Araújo e a mulher, a assistente social Camila Nagarol, levaram a filha Maria Fernanda, de 1 ano e 10 meses, para defender o governo Dilma (Foto: Flavia Mantovani/G1)
o técnico de informática Evandro Araújo e a mulher, a assistente social Camila Nagarol, levaram a filha Maria Fernanda, de 1 ano e 10 meses, para defender o governo Dilma (Foto: Flavia Mantovani/G1)
Participando do ato, vestidos de vermelho, o técnico de informática Evandro Araújo e a mulher, a assistente social Camila Nagarol, levaram a filha Maria Fernanda, de 1 ano e 10 meses, para defender o governo Dilma. "Estamos aqui para defender nosso presidente, o companheiro Lula, e para pedir mais democracia para o país", diz ele.
Bomba no instituto
No dia 31 de julho, uma bomba de fabricação caseira foi arremessada contra o Instituto Lula, no Ipiranga, na Zona Sul de São Paulo, e um buraco e uma fissura foram abertos na garagem do imóvel. Não houve feridos. Para o Instituto, tratou-se de um "ataque político".
No último dia 7, um ato de apoio ao ex-presidente foi realizado em frente à sede do instituto e contou com a presença de Lula e de outros políticos ligados ao PT.
SÃO PAULO: Grupo do movimento Em defesa da democracia participa de ato de apoio ao governo em frente à sede do Instituto Lula, no Ipiranga (Foto: Nacho Doce/Reuters)
SÃO PAULO: Grupo do movimento Em defesa da democracia participa de ato de apoio ao governo em frente à sede do Instituto Lula, no Ipiranga (Foto: Nacho Doce/Reuters)
Segundo metalúrgicos que se manifestam a favor do governo, cerca de 30 ônibus organizados pelo sindicato da categoria saíram do ABC levando pessoas para o Instituto Lula. (Foto: Flavia Mantovani/G1)
Segundo metalúrgicos que se manifestam a favor do governo, cerca de 30 ônibus organizados pelo sindicato da categoria saíram do ABC levando pessoas para o Instituto Lula. (Foto: Flavia Mantovani/G1)

Belo Horizonte tem novo ato contra a presidente Dilma e o PT

Belo Horizonte tem novo ato contra a presidente Dilma e o PT


PM contabilizou cerca de 6 mil em ato; manifestantes estimaram 20 mil.
Este foi o 3º protesto contra a presidente na capital mineira em 2015.
Raquel Freitas e Pedro Ângelo
Do G1 MG






 

MANIFESTAÇÕES: 16/08
Atos são contra o governo Dilma
tempo real
mapa com estimativas
como foram os atos
fotos: nacional
Manifestantes contra a presidente Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores (PT) fizeram um protesto na Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte neste domingo (16). Este foi o terceiro protesto contra a presidente em 2015 na capital mineira.
A Polícia Militar disse que 6 mil pessoas participaram do ato. Em certo momento, a corporação chegou a falar em 10 mil, mas a estimativa caiu no fim. Segundo os manifestantes, 20 mil pessoas estiveram no ato.
O senador Aécio Neves (PSDB) participou do protesto. Ele chegou por volta das 11h20 e discursou em um trio-elétrico. Desde o início das manifestações contra a presidente Dilma, esta foi a primeira vez que o senador esteve presente. “Chega de tanta corrupção, o meu partido é o Brasil”, disse Aécio sobre o trio. Ele cantou o hino nacional com os manifestantes e foi ovacionado pela multidão que gritou: “Aécio, Aécio”. O senador também foi para o meio da multidão e tirou muitos selfies com manifestantes. Ele estava acompanhado de lideranças políticas do PSDB.
Aécio Neves discursa durante manifestação em Belo Horizonte (Foto: Doug Patrício/ Estadão Conteúdo)
Aécio Neves discursa durante manifestação em Belo Horizonte (Foto: Doug Patrício/Estadão Conteúdo)
“O Brasil despertou. É o povo na rua que vai permitir a superação da crise. Não é este governo, que não tem mais autoridade, nem credibilidade. Estou emocionado de ver este despertar dos brasileiros. Portanto, mais do que nunca, nós estamos juntos”, disse. Questionado sobre a possibilidade de impeachment da presidente Dilma, ele não respondeu nada.
Questionado sobre a disposição para uma nova candidatura caso Dilma saia prematuramente, Aécio disse: “candidatura não é projeto pessoal, eu tenho disposição de impedir que este governo continue fazendo tanto mal aos brasileiros”. Depois de participar do ato, o senador entrou em um carro e foi embora por volta de 12h.
Aécio Neves é ovacionado por manifestantes durante protesto na Praça da Liberdade, em BH (Foto: Uarlen Valério/ Estadão Conteúdo)
Aécio é ovacionado por manifestantes durante protesto em BH. (Foto: Uarlen Valério/Estadão Conteúdo)
O “Bloco da Papuda”, um dos principais organizadores dos protestos na capital mineira, chegou a praça com gritos de “fora PT”, por volta das 11h. A concentração para o protesto começou no início da manhã. Em menos de uma hora, das 10h às 11h, a praça foi tomada por manifestantes. Trios elétricos puxaram o ato. Além da saída do PT do governo federal, manifestantes elogiaram a Operação Lava-Jato, o juiz Sério Moro, e o senador Aécio Neves (PSDB).
Após a concentração na Praça da Liberdade, os manifestantes saíram em passeata na Avenida Cristóvão Colombo até a Praça da Savassi. Na Savassi, o protesto começou a se dispersar e por volta das 14h30, o ato terminou.
Manifestação na Praça da Liberdade em Belo Horizonte (Foto: Raquel Freitas/ G1)
Manifestação na Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte (Foto: Raquel Freitas/G1)
Bloco da Papuda chega à Praça da Liberdade, em BH, com gritos de fora PT no 3º ato realizado contra o governo Dilma Rousseff (Foto: Raquel Freitas/ G1)
Bloco da Papuda esteve na Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul de BH. (Foto: Raquel Freitas/G1)

FOTOS: 2º dia do Feirão do Estudante, em Olinda

Evento traz 120 horas de palestras, minicursos, workshops e aulões com professores do Projeto Educação.



CLOCK A NO NOME ACIMA PARA IR PARA AS FOTOS

Manifestantes protestam na Zona Sul do Recife contra o governo Dilma

Manifestantes protestam na Zona Sul do Recife contra o governo Dilma
Concentração começou às 9h e passeata terminou por volta das 12h30.
Grande maioria dos manifestantes vestia verde e amarelo.
Do G1 PE






 Concentração de manifestantes na Avenida Boa Viagem, no Recife (Foto: Katherine Coutinho / G1)
Concentração de manifestantes na Avenida Boa Viagem, no Recife (Foto: Katherine Coutinho / G1)
Manifestantes se reuniram na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, neste domingo (16), para o protesto contra a corrupção e o governo da presidente Dilma Rousseff. As pessoas começaram a chegar por volta das 9h para o evento, organizado pelos movimentos Brasil Livre e Vem Pra Rua. O protesto durou até as 12h30, quando a marcha chegou ao Segundo Jardim. Pouco depois disso, os trios elétricos foram desligados e os manifestantes começaram a dispersar.
Cantora Nena Queiroga cantou o hino nacional em cima de um trio elétrico, para dar início à passeata (Foto: Katherine Coutinho / G1)
Cantora Nena Queiroga cantou o hino nacional em
cima de um trio elétrico, para dar início à
passeata (Foto: Katherine Coutinho / G1)
A concentração aconteceu na frente da Padaria Boa Viagem, esquina com a Rua Padre Bernardino Pessoa. A cantora Nena Queiroga cantou o hino nacional em cima de um trio elétrico, para dar início à marcha. "A maior arma é a nossa voz. A gente tem voz e vez quando sai de casa como hoje", disse.
A organização do Vem Pra Rua estima que 50 mil acompanharam a passeata. O Comando Geral da  Polícia Militar de Pernambuco decidiu não divulgar cálculos sobre números de participantes do ato público deste domingo. De acordo com a assessoria da corporação, a "medida visa garantir que não haja divergências de números entre os diversos órgãos envolvidos no evento, esclarecendo, ainda, que tal informação não compete à Polícia Militar, que trabalha, apenas, com números estimados".
Nos cartazes, eram vistos pedidos para a saída de Dilma Rousseff da presidência, a inscrição'#Lulanuncamais' e palavras de ordem. A grande maioria das pessoas vestiu as cores verde e amarela. Apitos, cornetas e narizes de palhaço estiveram entre os itens usados pelos manifestantes. Até mesmo uma orquestra de frevo participou do protesto, com um boneco gigante em referência ao juiz Sérgio Moro e à Operação Lava Jato.
No Recife, boneco gigante faz referência ao juiz Sérgio Moro e à Operação Lava Jato (Foto: Katherine Coutinho / G1)
No Recife, boneco gigante faz referência ao juiz Sérgio Moro e à Operação Lava Jato
(Foto: Katherine Coutinho / G1)
Defendendo também o liberalismo, o Movimento Brasil Livre (MBL) pede menos intervenção do governo federal nas decisões. "Não pedimos a simples saída da presidente Dilma, mas sim a abertura do processo de impeachment. Queremos menos interferência de Brasília, de decisões centralizadoras. Os partidos políticos tem roubado o protagonismo do povo", explica Pedro Jacob, um dos coordenadores do MBL no Recife.


MANIFESTAÇÕES: 16/08
Atos são contra o governo Dilma
tempo real
mapa com estimativas
como foram os atos
fotos: nacional
 O Vem Pra Rua passou um abaixo-assinado para apoiar as dez medidas contra a corrupção propostas pelo Ministério Público Federal no Paraná. O grupo vai encaminhar as assinaturas para Curitiba. "Nós pedimos o 'fora Dilma' dentro da lei. O Vem Pra Rua defende três bandeiras: a democracia, a ética na política e o Estado efetivo e desinchado. Não adianta apenas mudar o governo, precisa lidar com a corrupção", aponta o advogado Gustavo Gesteira, porta-voz do movimento no estado.
Os Maçons de Pernambuco também se uniram ao protesto e afirmaram estar em defesa da República. "Hoje protestamos contra a corrupção e a criminalidade que se instalou na nossa pátria. A República é filha de Pernambuco e os maçons lutaram pela República", explica o representante do grupo, Adeíldo Penha.
Funcionários dos Correios vestiram camisas amarelas com 'Postalis' estampado, em referência ao fundo de pensão da estatal (Foto: Katherine Coutinho / G1)
Funcionários dos Correios vestiram camisas amarelas com 'Postalis' estampado, em referência ao fundo de pensão da estatal (Foto: Katherine Coutinho / G1)
Algumas pessoas sem ligação com qualquer um dos movimentos também fizeram questão de protestar neste domingo. Funcionários dos Correios vestiram camisas amarelas com 'Postalis' estampado, em referência ao fundo de pensão da estatal. "Não interessa se houve roubo antes no Brasil, isso não justifica continuar roubando. Tem que mudar essa situação, tem que ter consequências. Desviar fundo de pensão é desviar nossos salários", afirma a economista Cláudia Coutinho, que trabalha nos Correios.
A administradora Marcela Tavares levou a filha, Marina, de 1 ano e três meses, para o protesto na Avenida Boa Viagem, no Recife (Foto: Katherine Coutinho / G1)
A administradora Marcela Tavares levou a filha, Marina, de 1 ano e três meses, para o protesto na Avenida Boa Viagem, no Recife (Foto: Katherine Coutinho / G1)
A administradora Marcela Tavares levou a filha, Marina, de 1 ano e três meses, com uma pequena panela. A ideia é estimular a menina a lutar pelos seus direitos. "Ela é novinha, mas vai aprendendo. Quando o pessoal bate panela, levo ela para a janela e mostro. Desde o primeiro ela já bate a panelinha", explica.
Líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho, caminha entre manifestantes, no Recife (Foto: Katherine Coutinho / G1)
Líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho, caminha entre manifestantes, no Recife
(Foto: Katherine Coutinho / G1)
Deputados federais pernambucanos da oposição se uniram ao protesto deste domingo. "Viemos dar apoio político ao ato de hoje. Nossa posição é de buscar construir uma saída para a crise", explica Betinho Gomes (PSDB-PE). O líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho, também esteve na manifestação. "Vim protestar contra a mentira que levou a presidente Dilma a ser reeleita. Dar o grito de protesto contra a situação que o Brasil está vivendo", disse Mendonça.
No começo da tarde, um segundo protesto foi realizado, com concentração no mesmo local. Organizado pelos movimentos Estado de Direito e Direita Pernambuco, a manifestação pediu o impeachment e a intervenção militar no país.
Segurança
A Polícia Militar de Pernambuco reforçou a segurança do protesto com 149 policiais, tanto ao longo da citada avenida como nos entornos e nas paradas de ônibus. O policiamento foi feito por agentes a pé, em viaturas e em motos, além do serviço de inteligência. Não houve registro de ocorrências.

PROTESTOS PELO BRASIL 16 - 08 - 2015





Queda de helicóptero militar dos EUA no Japão deixa ao menos 6 feridos

Queda de helicóptero militar dos EUA no Japão deixa ao menos 6 feridos


Acidente ocorreu durante missão de treinamento perto da ilha de Okinawa.
Aeronave caiu na água enquanto tentava aterrissar sobre um navio.

Partes de um helicóptero do Exército dos EUA que sofreu um acidente e caiu no mar perto da ilha de Okinawa, no Japão, foram resgatadas e colocadas no deque do navio USNS Red Cloud. O helicóptero caiu durante missão de treinamento, ferindo 6 pessoas (Foto: Reuters/Kyodo)Partes de um helicóptero do Exército dos EUA que sofreu um acidente e caiu no mar perto da ilha de Okinawa, no Japão, foram resgatadas e colocadas no deque do navio USNS Red Cloud. O helicóptero caiu durante missão de treinamento, ferindo 6 pessoas (Foto: Reuters/Kyodo)
Um helicóptero militar dos EUA caiu nas águas do Japão, ao sul da ilha de Okinawa, durante uma missão de treinamento nesta quarta-feira (12). O acidente deixou ao menos seis feridos.
O helicóptero, uma unidade UH-60 Blackhawk da marinha dos Estados Unidos, caiu no mar entre as 13h e as 14h local (1h-4h, em Brasília) cerca de 30 quilômetros da base aérea americana de Kadena, indicaram autoridades militares americanos à Guarda Litorânea japonesa.
Os 17 tripulantes que viajavam no aparelho foram resgatados, segundo a agência EFE.
O helicóptero caiu na água enquanto tentava aterrissar sobre um navio, disse a polícia japonesa à agência local "Kyodo".
Terceiro acidente
Trata-se do terceiro acidente envolvendo um helicóptero militar americano na zona, afirma a EFE.
Em agosto de 2013, um helicóptero de resgate do Exército dos EUA caiu em Camp Hansen, uma base do Corpo de Fuzileiros Navais na ilha principal da Prefeitura, um acidente no qual um dos quatro tripulantes da aeronave ficou ferido.
Em 2004 outro aparelho se chocou contra o edifício de uma universidade na cidade de Ginowan, embora só três de seus tripulantes tenham ficado feridos e nenhum estudante ou membro da instituição foi diretamente afetado pelo acidente.
O governador de Okinawa, Takeshi Onaga, pediu hoje após o novo acidente que se reduza a carga na zona assim como o alojamento das bases militares americanos.
A presença dos EUA em Okinawa, cujas ilhas acolhem metade dos 48 mil soldados que o país mantém no Japão, desperta a rejeição de boa parte dos residentes da Prefeitura.
Isto se deve à enorme extensão de terreno que ocupam as tropas, 20% do solo da ilha principal, ao barulho das aeronaves, ao perigo de acidentes pela pouca distância entre as bases e as casas circundantes e aos delitos que são cometidos pelos militares.

Movimento cai após prorrogação do prazo para cadastramento biométrico Em Cascavel, a data foi estendida para 29 de janeiro de 2016. Orientação é para que os eleitores não deixem para a última hora.

Movimento cai após prorrogação do prazo para cadastramento biométrico
Em Cascavel, a data foi estendida para 29 de janeiro de 2016.
Orientação é para que os eleitores não deixem para a última hora.
Do G1 PR, com informações da RPC Cascavel



O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) prorrogou o prazo para o cadastramento biométrico em Cascavel, no oeste do Paraná. A data limite agora é 29 de janeiro de 2016. Desde que o novo prazo foi anunciado, o movimento no Fórum Eleitoral da cidade diminuiu.
A chefe de cartório Rubiane Kreuz orienta para que os eleitores não deixem para a última hora. "Nós abrimos 1,5 mil vagas pelo agendado todos os dias, mas nós também percebemos os agendados não estão vindo. Na segunda (10), 245 agendaram, mas não vieram ao Fórum Eleitoral. Então, o eleitor tem que se programar, tem que escolher o seu horário porque a biometria é obrigatória para todos os eleitores", ressalta.
saiba mais
TRE prorroga prazo para cadastro biométrico em cidades do Paraná
Falta de equipamentos provoca filas para cadastramento biométrico no PR
Eleitores reclamam da espera para fazer cadastro biométrico em Cascavel
Começa o cadastramento biométrico dos eleitores de Cascavel e Toledo
Segundo a chefe de cartório, o agendamento é uma opção, principalmente, para aqueles eleitores que não tem tempo para aguardar na fila para ser atendido. O agendamento é feito no site do TRE-PR.
O cadastro biométrico dos eleitores de Cascavel e Toledo começou no dia 26 de maio deste ano. Inicialmente, a data limite era 30 de setembro. "Nós fizemos em quase três meses de biometria apenas 25% dos eleitores da comarca de Cascavel. É um número baixo ainda e nós temos até o fim de janeiro para concluirmos todo esse procedimento. Então, fazemos esse apelo, o eleitor tem que vir, tem que se programar", destaca Rubiane.
Em Santa Tereza do Oeste e Lindoeste, que fazem parte do Fórum Eleitoral de Cascavel, o cadastro biométrico será feito nos municípios entre os dias 3 e 30 de novembro. O TRE-PR deve divulgar mais informações sobre o procedimento no fim deste mês.
Já em Toledo, que atende também os municípios de Ouro Verde do Oeste e São Pedro do Iguaçu, o prazo foi prorrogado para 30 de novembro de 2015.
A biometria
A biometria começou a ser usada pela Justiça Eleitoral em 2008 para evitar fraudes nas eleições, segundo a Justiça Eleitoral. O primeiro município do Paraná a adotar a biometria foi Balsa Nova, na Região Metropolitana de Curitiba. Hoje, o Paraná conta com 7.864.695 eleitores. Do total, 25% já contam com a biometria.
Para fazer o cadastro, os eleitores devem levar um documento de identificação pessoal e um comprovante de residência recente até o cartório indicado.
Confira no site do TRE-PR os prazos para cadastro nos 36 municípios do estado que estão fazendo o procedimento.

Após denúncia, Polícia Civil encontra local que servia para rinha de galos

Após denúncia, Polícia Civil encontra local que servia para rinha de galos


Na chácara, na área rural de Itapulândia, estavam 23 galos e oito frangos.
Dono do local vai responder por maus tratos e por promover rinha de galos.


Um homem, de 74 anos, foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil suspeito de promover rinha de galos em Itaipulândia, no oeste do Paraná. Os policiais chegaram até a chácara, onde os animais estavam, após um denúncia anônima.
Na chácara havia estrutura para crianção e rinha (Foto: Polícia Civil/ Divulgação)
Na chácara havia estrutura para crianção e rinha
(Foto: Polícia Civil/ Divulgação)
Na chácara, que fica na Linha Progresso, os policiais encontraram estruturas típicas para criação e para rinha de galos, conforme a polícia.
No local, foram encontrados 23 galos e mais oito frangos. Segundo a polícia, todos eram usados nas competições.
O proprietário da chácara entregou aos policiais acessórios e medicamentos usados para o fortalecimento dos animais.
Ele assinou um Termo Circunstanciado por maus tratos aos animais e por contravenção penal de jogo de azar – rinha de galos – e foi liberado. Também se comprometeu a cuidar dos animais, sob pena de prisão, caso não o faça..

Defesa pede suspensão de ações da Lava Jato contra Alberto Youssef

Cláusula de delação prevê suspensão com a soma de 30 anos de pena.
Petição foi protocolada nesta terça-feira (11).
Fernando Castro
Do G1 PR



 CPI Petrobras ouve Youssef sessão Curitiba (Foto: Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo)
Youssef já foi condenado a 43 anos de reclusão
(Foto: Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo)
A defesa de Alberto Youssef pediu à Justiça Federal que sejam suspensos os processos e inquéritos policiais decorrentes da Operação Lava Jato que tramitam contra o doleiro na primeira instância. O pedido é baseado no acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal (MPF), que prevê a suspensão das ações quando a soma das penas do doleiro atingir 30 anos.
No documento, os advogados que representam Youssef citam a cláusula do acordo. “Logo após o trânsito em julgado das sentenças condenatórias que somem o montante mínimo de 30 (trinta) anos de prisão (...) a suspensão em relação exclusivamente ao COLABORADOR de todos os processos e inquéritos policiais em tramitação perante a 13ª Vara Federal Criminal da Subseção Judiciária de Curitiba, assim como daqueles que serão instaurados inclusive perante outros juízos, em decorrência dos fatos revelados a partir da presente colaboração”, diz trecho do documento.
Alberto Youssef foi condenado até o momento em quatro processos decorrentes da Lava Jato. A defesa leva em conta, ainda, uma condenação de setembro de 2014 pela atuação do doleiro em uma fraude no antigo Banco do Estado do Paraná (Banestado). O caso aconteceu em 1998, mas foi arquivado, pois à época Youssef havia feito um acordo de delação premiada com a Justiça. Porém, como a Operação Lava Jato apontou a participação do doleiro em uma nova prática criminosa, o processo do Banestado foi reaberto e ele acabou condenado.
As penas somadas chegam a 43 anos, nove meses e dez dias de reclusão, conforme a defesa, o que possibilita a suspensão dos demais processos. A decisão sobre a suspensão dos processos cabe ao juiz federal Sergio Moro.
O doleiro responde ainda a pelo menos 14 ações na Justiça Federal. Destas, 12 são decorrentes da Lava Jato, e duas são do caso Banestado e foram reabertas pela quebra do acordo anterior.

Dilma diz ter 'grande interesse' em propostas de Renan para economia

Dilma diz ter 'grande interesse' em propostas de Renan para economia

Presidente comentou nesta terça lista com sugestões do peemedebista.
Na avaliação de Dilma, propostas criam ‘agenda positiva' para o país.
Filipe Matoso e Débora Cruz
Do G1, em Brasília



A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira (11) ter “grande interesse” em estudar as propostas apresentadas nesta segunda (10) pelo presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), para reaquecer a economia.
Dilma participou nesta terça, no Palácio do Planalto, do lançamento do Plano de Investimento em Energia Elétrica. Após o evento, ela comentou a lista de 27 propostas apresentadas pelo peemedebista aos ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento) e Edinho Silva (Comunicação Social). A intenção de Renan é “construir convergência” entre o Legislativo e o Executivo.
saiba mais
Dilma faz apelo para que Senado barre 'pautas-bomba' da Câmara
Renan apresenta a ministros lista de propostas para reaquecer a economia
Renan diz que sociedade não quer que Congresso ponha 'fogo' no país
“Muitas das propostas do presidente Renan coincidem plenamente com as nossas e são propostas muito bem-vindas. Eu queria até dizer que para nós é a melhor relação do Executivo com o Legislativo. Então, nós olhamos essas 27 propostas com grande interesse e valorizamos muito a presença delas. Esta, sim, é a agenda positiva para o país”, disse a presidente.
Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto que eleva os gastos da União. Conhecido como “pauta-bomba”, porque sua aprovação se deu em meio ao esforços do governo para reajustar as contas públicas, o texto agora precisa ser analisado pelo Senado.
Na última quinta, Dilma chamou ao Planalto Renan Calheiros para pedir a ele que evite a aprovação do projeto. Nesta segunda, ela ofereceu jantar aos senadores da base aliada no Palácio da Alvorada, residência oficial, também para pedir apoio dos parlamentares para que esse tipo de projeto não seja aprovado.
Em meio à crise política na relação entre o governo e o Congresso Nacional, com sucessivas derrotas do Executivo na votação de projetos, Dilma avaliou ainda nesta terça que a chamada “agenda positiva” para o país proposta por Renan Calheiros mostra “disposição” do Senado para criar alternativas para a retomada do crescimento econômico.
“[As propostas] mostram por parte do Senado uma disposição de contribuir para que o Brasil possa sair das suas dificuldades o mais rápido possível”, acrescentou Dilma.

escola josefa coleta comemora juntamente com seus alunos o dia do estudantes