sábado, 14 de novembro de 2015

14 de Novembro - São Serapião Religioso mercedário e mártir (1179-1240)



14 de Novembro - São Serapião
Religioso mercedário e mártir (1179-1240)


A vida deste santo encerra um capítulo da história européia, pois que sua aventura humana e espiritual reflete os fatos de sua época, nos quais esteve presente, se bem que só como “coadjuvante”, talvez a contragosto.

Filho de um capitão inglês a serviço do rei Henrique II, em 1190 participou com o pai da terceira cruzada, sob o comando do célebre Ricardo Coração de Leão. No regresso, foi feito prisioneiro das tropas do duque da Áustria, próximo da laguna vêneta, e mantido como refém.

O duque gostou dele e o tomou a seu serviço na expedição de ajuda ao rei da Espanha contra os mouros. Quando chegaram, a batalha havia terminado. Serapião conseguiu então ficar a serviço do rei Afonso de Castela, para voltar novamente à Áustria, quando o duque tomou parte na quinta cruzada. Neste ponto se encerra sua aventura militar.

Passa, na realidade, a militar sob uma outra bandeira: conhece Pedro Nolasco, o fundador dos mercedários, e decide juntar-se a ele para dedicar-se ao resgate dos escravos.

Para sua primeira missão pacífica dirige-se com são Raimundo Nonato a Argel. Conseguem libertar 150 escravos. E como tinha aprendido a arte da guerra, teve o encargo de seguir as tropas espanholas na conquista das Baleares. Em todo caso, sua missão era fundar nessas ilhas o primeiro convento de sua ordem, que depois confiou à direção de um confrade. Em seguida, dirigiu-se à Inglaterra a fim de erigir um posto avançado da ordem.

Dessa vez, porém, a expedição teve um epílogo trágico: o navio foi assaltado por corsários, Serapião barbaramente espancado e lançado em uma praia deserta porque considerado morto. Recolhido por alguns pescadores, refez-se e pouco depois prosseguiu a viagem para Londres, onde não teve vida fácil.

Foi expulso de modo grosseiro, por haver desaprovado a injusta apropriação dos bens eclesiásticos pelo governo. Voltou à Espanha e prosseguiu na obra caritativa de resgate dos prisioneiros, até que os mouros voltaram sua raiva contra ele: crucificaram-no numa cruz de santo André e, depois de atrozes torturas, decapitaram-no. Seu culto foi confirmado em 1728.


Retirado do livro: 'Os Santos e os Beatos da Igreja do Ocidente e do Oriente', Paulinas Editora.

VEJA TAMBÉM




14 de Novembro - Padre Francisco de Paula Victor
Carinhosamente conhecido como o Apóstolo da caridade, Francisco de Paula Victor nasceu no dia 12 de abril de 1827, em Campanha, MG, filho de mãe escrava. A realidade de pobreza e discriminação em que viveu sua infância não o impediram de crescer nos princípios cristãos e de cultivar qualidades natas como a inteligência, a bondade e a esperteza.

Ainda muito jovem, especializou-se em alfaiataria. Nesse mesmo período, foi percebendo sua vocação ao sacerdócio. Enquanto de algumas pessoas recebia total apoio e incentivo, de outras, a discriminação não media as palavras. De seu mestre de alfaiataria chegou a ouvir em meio a gargalhadas: "Lembre-se rapaz! No dia em que você for padre, as minhas galinhas terão dentes!"

Ao completar 21 anos de idade foi encaminhado ao seminário de Mariana, MG, ingressando em 5 de junho de 1849. Enquanto alguns seminaristas chegavam em carruagens, acompanhados dos pais e dos serviçais negros, além das muitas bagagens, o jovem Victor tomou a atenção de todos ao chegar sozinho e com apenas um pequeno fardo de roupas. Maior surpresa ainda foi ter sido admitido imediatamente no terceiro ano de formação, por já ter tido estudado dois biênios na sua paróquia de origem. No período de formação, se ocupou das atividades mais simples e mais difíceis, cumprindo com responsabilidade as atividades assumidas, mesmo em meio à rejeição dos colegas.

Em 1851 foi ordenado sacerdote e assumiu a Paróquia de Campanha, MG como vigário paroquial. Não demorou muito para conquistar o coração de todos por sua dedicação, testemunho de vida de oração e vivência dos valores morais e espirituais. Como um pastor amoroso e dedicado, manifestava grande zelo pastoral pelos doentes, pelas crianças e pelos mais necessitados. Contribuiu muito também para a formação catequética de seus paroquianos e para a formação dos filhos das famílias mais humildes de sua paróquia. Viveu toda a sua vida na humildade e despojamento, das esmolas que recebia e também partilhava. Mas ao mesmo tempo não faltaram dificuldades, perseguições e discriminações.

Faleceu no dia 23 de setembro de 1905, e desde então, muitos romeiros todos os anos se dirigem a Três Pontas para agradecer as graças recebidas por sua intercessão. Passados 88 anos de sua morte, seu processo de beatificação teve início e em 2011 o Papa Bento XVI reconheceu a vivência de suas virtudes. Em 2015 a Igreja reconheceu o primeiro milagre atribuído à intercessão de Pe. Victor: a gravidez de Maria Isabel Figueiredo. Hoje sua filha Sofia está com quatro anos. (Leia mais)

Padre Francisco de Paula Victor é o primeiro afrodescendente brasileiro a ser beatificado. A cerimônia acontece hoje, 14 de novembro, às 16 horas em Três Pontas, MG.

Sem comentários:

Publicar um comentário