quarta-feira, 11 de maio de 2016

Após chuva, Recife registra 140 áreas com alto risco de deslizamento Defesa Civil informa que há pontos de maior perigo em todos os morros. Capital tem 65% do território em encostas; em 36 horas, choveu 210 mm.

Após chuva, Recife registra 140 áreas com alto risco de deslizamento
Defesa Civil informa que há pontos de maior perigo em todos os morros.
Capital tem 65% do território em encostas; em 36 horas, choveu 210 mm.


O Recife tem hoje 140 pontos em áreas de morro com risco alto de deslizamento, segundo a Secretaria Executiva de Defesa Civil da capital. Esses são os locais que mais devem despertar a atenção do poder público de uma cidade onde 65% do território estão em encostas ou ladeiras.

A Secretaria Executiva de Defesa Civil não soube precisar onde estão essas áreas de risco alto, já que elas estão em praticamente todos os 55 bairros que estão situados em morros. Os pontos são mapeados com base no grau de vulnerabilidade, medido numa escala que vai de 1 a 4, do menos ao mais perigoso. A situação dessas localidades piorou nesta semana após a chuva intensa que causou transtornos em toda a Região Metropolitana. [Veja no vídeo acima].
saiba mais
Chega a 100 o número de famílias desalojadas no Recife
GALERIA DE FOTOS | Ruas e avenidas ficam alagadas em todo o Grande Recife
Universidades e Judiciário cancelam atividades por causa de temporal
Defesa Civil do Recife recomenda saída imediata de áreas de risco
Apac emite novo alerta de chuva forte para o Grande Recife
Em 24 horas, Recife registra chuva esperada para 17 dias
Prédio de dois andares desaba após fortes chuvas no Grande Recife
Casarão do Centro que desabou por causa da chuva é demolido
Segundo a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), a capital pernambucana registrou um acumulado de 210 milímetros de precipitação em 36 horas. Esse volume era esperado para 20 dias e equivale a quase 61% da média histórica do mês de maio, que é de 328 milímetros.

Além da chuva, que encharca a terra tornando-a mais fluida e, consequentemente, mais fácil de desmoronar, o próprio morador pode aumentar o grau de vulnerabilidade de uma vizinhança. “Sempre tem aquele que faz um puxadinho e, por isso, cava na barreira mesmo. Então a gente faz ações educativas de porta a porta para conscientizar a população”, afirma o secretário de Defesa Civil do município, coronel Cássio Sinomar.
Este ano, a meta da prefeitura é vistoriar 44 mil residências e fazer 12 mil ações educativas durante a Operação Inverno, que começou em março e se estende até o fim de agosto. Em todos os bairros, durante a chuva, a Defesa Civil fez 306 vistorias, atendendo às solicitações feitas por telefone.

“Após um evento como esse, as equipes voltam a campo a todas as nossas áreas onde houve pedido para saber se houve mudanças com a chuva e também para autorizar ou não o retorno das famílias. As casas que estavam em risco baixo agora podem estar em risco alto. Recife é muito grande, então é levar essas pessoas para locais seguros e, depois, voltar sempre levando práticas seguras também”, diz o secretário.

Desde que teve início a Operação Inverno deste ano, a secretaria informou ter atuado em 7 mil pontos de risco. A previsão é que 8 mil locais sejam alvos de ações de intervenção.
Famílias recebem donativos em abrigo da prefeitura do Recife (Foto: Reprodução/TV Globo)
Famílias recebem donativos em abrigo da
prefeitura (Foto: Reprodução/TV Globo)
Donativos
Após a chuva forte deste início de semana, 100 famílias perderam suas casas e tiveram de ser levadas para abrigos da prefeitura. Segundo a Defesa Civil, elas receberam um total de 39 cestas básicas e 99 colchões e lençóis.

Ainda de acordo com o órgão, dessas 100 famílias, sete, que vivem nos imóveis localizados no entorno do casarão que desabou no bairro da Boa Vista esta semana, já retornaram às residências onde moram. Outras 16 do bairro de Água Fria, na Zona Norte, também voltaram para casa, nas margens do Rio Beberibe.
tópicos:
Recife