terça-feira, 10 de maio de 2016

NÚMERO DE ELEITORES EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE ENCOLHEU 12,53%, REVELA CHEFE DO CARTÓRIO ELEITORAL




Na tarde desta terça-feira (10) a equipe do Blog do Ney Lima esteve visitando o Cartório Eleitoral de Santa Cruz do Capibaribe. O objetivo foi obter um balanço geral sobre o processo do recadastramento biométrico do Título de Eleitor, que se encerrou na última quarta-feira (04).
 Número de eleitores caiu em relação a 2014 - Segundo números fornecidos por Ariadnny Vasconcelos, chefe do Cartório Eleitoral, Santa Cruz do Capibaribe conseguiu recadastrar 53.095 eleitores, o que representa 87.43% se comparados aos números de aptos a votar nas eleições de 2014, que eram de 56.130.
 Esse número de 2014, segundo Ariadnny, era a estimativa que vinha sendo trabalhada para o processo de revisão aberto ainda em novembro do mesmo ano.
 Queda só não foi maior graças a novos títulos e transferências - Sobre o decréscimo, Ariadnny frisou que isso já era esperado, mas destacou que a diminuição só não foi maior por conta de eleitores que tiraram o Título pela primeira vez e também as transferências de domicílio eleitoral.
 Ela também fez críticas para quem, em condições aptas de atualizar o documento, deixou para fazê-lo de última hora.
 “Nesse período de 2014 para cá, teria dado para fazermos esse número duas vezes ou mais. O problema foi que a população não compareceu, deixou para ir de última hora. Como funcionávamos em esquema de agendamento e quando este estava lotado, havendo possibilidades, a gente encaixava, mas muita gente deixou de ser atendida. Em meados de abril, tínhamos vagas sobrando. É comum do brasileiro deixar tudo para última hora”, disse.
 Santa Cruz poderia ter ultrapassado 60 mil eleitores, revelam números do TER - A chefe do Cartório também destacou a possibilidade de o município chegar a ter 60.728 eleitores, segundo dados do TRE. De acordo com ela, esse número seria o somatório de eleitores aptos a votar em 2014 com o número de títulos novos e transferências que ocorreram no município até este ano.
 Ariadnny citou que esse número não foi atingido por uma série de fatores. Entre eles estão pessoas que já morreram, tiveram direitos políticos suspensos, foram presos no período ou não compareceram ao recadastramento por problemas de saúde, por estarem fora do país, se mudaram para outra localidade ou até mesmo, não quiseram realizar o recadastramento ou perderam o prazo final.
 Ela também enfatizou a importância da realização do recadastramento biométrico para o processo eleitoral do município.
 “Na revisão, é impossível se aumentar o eleitorado, normalmente se tira. Na revisão, estamos peneirando. Queremos saber quem mora em Santa Cruz, quem realmente comparece a eleição… A ideia da revisão do eleitorado é essa: quem é o nosso eleitorado real, que estamos vendo agora. Essas 53 mil pessoas compareceram, estão alegando que moram em Santa Cruz, apresentaram provas disso, são pessoas que transferiram, se alistaram, que estavam aqui e compareceram para a revisão”, disse.
 Comparecimento na hora do voto pode ser igual, mesmo com eleitorado menor - Sobre esse ponto, Ariadnny afirmou ter otimismo que número de eleitores que vão comparecer às urnas deve ser igual ou bem próximo ao registrado no processo eleitoral passado, que foram de 46.489 eleitores.
 Ela destacou que o interesse pessoal do eleitor em regularizar o documento deve dar sustentação a essa possibilidade.
 “Eu considero o seguinte: se a pessoa compareceu para fazer a biometria, se ela teve interesse de regularizar o título, de se alistar e de transferir, ela quer votar. Parto desse princípio”, disse.
 Casos excepcionais ainda podem ser analisados - Ariadnny também destacou que casos excepcionais ainda podem ser analisados para a regularização do documento.
 Pessoas enfermas, idosos ou pessoas que, por algum motivo, tem o título, mas não tiveram condições de ir ao cartório, ainda podem ir ao local e ter seu caso analisado.
 O que fazer para não perder benefícios em programas sociais e outros casos - Muitos leitores do blog entraram em contato com nossa equipe de reportagem questionando o que fazer no caso de ter perdido o recadastramento biométrico.
 Com o Título cancelado, muitos poderiam ser prejudicados em situações especiais a exemplo de perder programas sociais, como o Bolsa Família, não tirar passaporte, não assumir cargo público em caso de aprovação em concurso, obter certos tipos de empréstimos entre outros.
 Para esses casos, Ariadnny citou que, quem se enquadrar em alguma dessas situações, pode procurar o cartório, que lá será fornecido uma Certidão Circunstanciada, mas só pode regularizar o Título apenas a partir de novembro.
 “No documento, explicamos que o cadastro nacional está fechado e que não pode corrigir sua situação. Prejudicada, ela não vai ser, porque pode apresentar essa certidão. Só não vai poder votar”, concluiu.
Do: Blog Agreste Notícia Fonte: Blog do Ney Lima