sábado, 7 de maio de 2016

Temer passa fim de semana em SP e se reúne com aliados políticos Consultor político do vice, Gaudêncio Torquato, também estava no encontro. Na semana que vem, plenário do Senado votará pedido de impeachment.

Temer passa fim de semana em SP e se reúne com aliados políticos

Consultor político do vice, Gaudêncio Torquato, também estava no encontro.
Na semana que vem, plenário do Senado votará pedido de impeachment.




O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), se reuniu com o ex-ministro Moreira Franco, um de seus principais articuladores, neste sábado (7) em São Paulo. O consultor político do vice, Gaudêncio Torquato, também estava no encontro.
Temer chegou em seu escritório no Itaim Bibi, na Zona Sul da cidade, por volta de 9h45, onde o ex-ministro o aguardava. Moreira Franco deixou o local às 14h45 sem falar com a imprensa. Mais tarde, por volta de 15h10, Torquato deixou o local de carro e, na saída, afirmou "passarinho na muda não pia".
Temer foi embora em seguida.  O vice-presidente vai ficar em casa com a família neste sábado e parte para Brasília no domingo (8).




O vice chegou de Brasília em São Paulo noite desta sexta-feira (6). O peemedebista embarcou em Brasília poucas horas após a comissão especial do Senado destinada a analisar o impeachment da presidente Dilma Rousseff aprovar o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), que recomendou a continuidade do processo.
Além de assuntos urgentes, como a troca de comando na Câmara dos Deputados, seguem as negociações para a formação de um eventual governo pós-impeachment.
 

IMPEACHMENT NO SENADO
Possível afastamento de Dilma é analisado
o mandato em jogo
a cronologia da crise
a comissão especial
o parecer do relator
argumentos de especialistas
relatório aprovado
votação na comissão
próximos passos
Críticas de Dilma
Nesta sexta, Temer foi alvo de críticas diretas da presidente Dilma Rousseff. Mais cedo, ao participar de uma cerimônia no Palácio do Planalto, a petista se defendeu do processo de impeachment e afirmou que ninguém pode se “iludir”, porque o vice é “cúmplice” do “processo extremamente grave” conduzido por aqueles que estão “usurpando o poder” – Temer, oficialmente, não comentou o assunto.
Em seu momento mais afastado de Temer desde 2011, quando chegaram lado a lado ao Palácio do Planalto, Dilma também já afirmou que o peemedebista e o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), são “chefe e vice-chefe do golpe”. Além disso, ela também já utilizou discursos para se declarar vítima de “farsa”, “traição” e “conspiração”.

Sem comentários:

Publicar um comentário