quinta-feira, 2 de junho de 2016

Microsoft vende patentes à Xiaomi, que incluirá Office e Skype em celular

Microsoft vende patentes à Xiaomi, que incluirá Office e Skype em celular
Com acordo, empresas preveem parceria de longo prazo.
Chinesa quer reforçar propriedade intelectual para evitar batalhas judiciais.

A Microsoft negocia a venda de cerca de 1,5 mil patentes para a fabricante chinesa Xiaomi, numa rara comercialização de propriedade intelectual pela gigante do software que é parte do que as duas empresas afirmam ser o início de um relacionamento de longo prazo.
O acordo, anunciado nesta quarta-feira (1º), também inclui licenciamento cruzado de patentes e compromisso da Xiaomi de instalar software da Microsoft, incluindo Office e Skype, em seus celulares e tablets. As empresas não comentaram os termos financeiros do acordo.
"Este é um grande acordo de colaboração entre as duas companhias", disse Wang Xiang, vice-presidente sênior da Xiaomi.
Analistas dizem que o interesse da Xiaomi de ser uma marca reconhecida fora da China tem sido prejudicado por uma proteção de patentes fraca e temores de prolongada batalha jurídica.
saiba mais
Xiaomi, a 'Apple chinesa', chega ao Brasil com smartphone por R$ 500
Xiaomi quer atrair jovem, diz diretor da empresa: 'Xing ling é mito'
"O acordo pode ter lhes dado patentes suficiente para avançarem para mercados do Ocidente", disse Sameer Singh, analista na Inglaterra. "A posição deles na China tem ficado sob constante ataque de fabricantes de aparelhos Android baratos. Por isso, avançar para o exterior é uma necessidade agora".
As vendas de celulares da Xiaomi no primeiro trimestre na China caíram 9% sobre um ano antes, segundo a Strategy Analytics. A fatia de mercado da empresa caiu de 13% para 12%, pressionada por Huawei, Samsung e rivais menores como Oppo e Vivo.
Wang disse que a compra de patentes da Microsoft, que inclui comunicações por voz, multimídia e computação em nuvem, além de cerca de 3,7 mil encaminhadas pela companhia no ano passado, são "um importante passo para apoiar a expansão internacional".



Sem comentários:

Publicar um comentário