sexta-feira, 17 de junho de 2016

Ossada é encontrada ao lado da casa dos 'Canibais de Garanhuns', em PE Ossos foram encontrados por moradores na tarde desta quinta-feira (16). Trio é acusado de assassinar, esquartejar e comer a carne de três mulheres.

Ossada é encontrada ao lado da casa dos 'Canibais de Garanhuns', em PE
Ossos foram encontrados por moradores na tarde desta quinta-feira (16).
Trio é acusado de assassinar, esquartejar e comer a carne de três mulheres.



Trio é acusado de canibalismo em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco (Foto: Anna Tiago/G1/Arquivo)
Uma ossada foi encontrada na tarde desta quinta-feira (16) ao lado da casa onde morou o trio acusado de canibalismo em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Civil, moradores contaram que os ossos foram encontrados após a abertura de um buraco para instalação de um poste elétrico. O trio é suspeito de assassinar, esquartejar,  comer e rechear salgados com a carne de três mulheres.

O delegado João Lins explicou que ainda não é possível afirmar que tratam-se ossos humanos porque não foram encontrados fêmur, úmero ou falanges. Ele disse que a ossada será encaminhada para perícia no Instituto de Medicina Legal (IML). Os moradores da Rua Voluntários da Pátria, no Bairro Liberdade - onde o material foi descoberto - afirmaram à polícia que havia restos de roupa junto aos ossos - um shorts e uma camisa.

saiba mais
Trio de canibais é condenado em júri popular no Fórum de Olinda, PE
Em PE, suspeitos de mortes vendiam salgados de carne humana, diz polícia
'Canibais de Garanhuns' vão a novo júri popular em Pernambuco, diz TJPE
Em vídeo, acusado de canibalismo relata acordar procurando por vítima
'Tem parte de mim que desconheço', diz acusado de canibalismo em PE
Acusado de canibalismo era agressivo quando contrariado, diz psicóloga
Defesas de acusados de canibalismo alegam coações e falha em laudo

Lins detalhou que o caso chamou a atenção da população porque a ossada estava enterrada ao lado da casa onde morou Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, Isabel Cristina Torreão Pires e Bruna Cristina Oliveira da Silva, conhecidos como os "Canibais de Garanhuns". Segundo o Tribunal de Justiça de Pernambuco, duas mulheres vítimas do trio foram enterradas no quintal da casa deles e descobertas pela polícia em 2012.

Em nota enviada à imprensa, o delegado afirmou que "não há qualquer indício técnico que leve a concluir que a pequena quantidade de ossos encontrados tenha pertencido a um ser humano, e a idade que teria a possível vítima". Ele explicou que novos esclarecimentos serão prestados após a análise do material que será feita pelo IML.

Entenda o caso
Jorge Beltrão negromonte da Silveira, Isabel Cristina Torreão Pires e Bruna Cristina Oliveira da Silva são suspeitos de matar três mulheres. Uma de Olinda - Jéssica Pereira - que eles já foram julgados e condenados. As outras duas vítimas são de Garanhuns, no Agreste.
O inquérito feito pela Polícia Civil relata que Jéssica Pereira era moradora de rua, em Olinda,  tinha 17 anos, uma filha de um ano e aceitou viver com os acusados. Eles planejaram ficar com a criança depois de matar a mãe.


Em Garanhuns, as vítimas foram Giselly Helena da Silva, 31 anos, e Alexandra Falcão da Silva, 20 anos, mortas, respectivamente, em fevereiro e março de 2012. De acordo com a polícia, a carne dos corpos das vítimas era fatiada, guardada na geladeira e consumida pelo trio. Eles teriam até utilizado parte da carne das vítimas para rechear coxinhas e salgadinhos que vendiam em Garanhuns.
Os acusados afirmam fazer parte da seita Cartel, que visa a purificação do mundo e o controle populacional. A ingestão da carne faria parte do processo de purificação. O caso veio a público depois que parentes de Giselly Helena da Silva denunciaram o seu desaparecimento. Os acusado usaram o cartão de crédito da vítima em lojas de Garanhuns e foram localizados. Uma publicação contendo os detalhes dos crimes - registrada em cartório - foi encontrada na casa dos réus.

Sem comentários:

Publicar um comentário