segunda-feira, 13 de junho de 2016

TJPE realiza mutirão para agilizar perícias médicas do seguro DPVAT









TJPE realiza mutirão para agilizar perícias médicas do seguro DPVAT
Ações começam nesta segunda-feira (13) e seguem até a sexta-feira (17).
Equipes atuarão no fórum da Ilha Joana Bezerra, área central do Recife.



Capotamento na Avenida Agamenon Magalhães, no Recife, deixou uma pessoa ferida (Foto: Reprodução/WhatsApp)
O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) promove esta semana o Mutirão de Perícias Médicas do Seguro Obrigatório DPVAT.  A ação acontece a partir desta segunda-feira (13) e segue até sexta-feira (17), no Hall Monumental do Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, no Recife.
Ao todo, o TJPE selecionou 4.800 processos. Os envolvidos em acidentes passarão por perícias, das 8h às 17h. Sete médicos especializados na área de ortopedia indicados pelo TJPE participarão do mutirão.


A ação é uma iniciativa da Seção Especializada de Mutirões de Conciliação da Central de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Capital. O objetivo é tornar os processos relacionados ao seguro DPVAT mais dinâmicos.

De acordo com a juíza Karina Aragão, a indenização a ser paga pela seguradora terá definição de acordo com a extensão do dano sofrido pelo acidentado. Ela informou que esse mutirão de será determinante para a fixação do valor.
Depois desse processo, afirma a magistrada, as varas poderão dar a decisão. A coordenadora da ação reforça que a medida também ajudará a desafogar a Seção de Mutirões.

No País, todos os pedestres, motoristas e passageiros têm direito à indenização do seguro DPVAT nos casos de morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médico-hospitalares. O acidentado e o herdeiro podem dar entrada na indenização e reembolso, não sendo necessário o auxílio de intermediários.
Estatísticas
Em 2015, foram pagas 652.349 mil indenizações pela Seguradora Líder-DPVAT por acidentes de trânsito em todo o Brasil. O número, referente a reembolso de despesas hospitalares, invalidez permanente e morte, é 15% inferior ao mesmo período de 2014.
A maior queda registrada no período foi na cobertura de morte (19%), seguida de reembolso de despesas hospitalares (18%) e invalidez permanente (13%). No total, foram pagos R$ 3,381 bilhões em indenizações durante o ano passado.


Sem comentários:

Publicar um comentário