sexta-feira, 5 de agosto de 2016

"CADÊ O RIO QUE TAVA AQUI?" - DOCUMENTÁRIO FILMADO EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE RESGATA HISTÓRIAS SOBRE O RIO QUE DÁ NOME A CIDADE - 05-08-2016-

"CADÊ O RIO QUE TAVA AQUI?" - DOCUMENTÁRIO FILMADO EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE RESGATA HISTÓRIAS SOBRE O RIO QUE DÁ NOME A CIDADE - 05-08-2016-






Uma iniciativa que pretende aproximar jovens do gênero documentário, incentivando a produção de vídeos e a circulação de obras em festivais. É esse o objetivo do “Documentando”, projeto desenvolvido pelo cineasta Marlom Meirelles. Até dezembro, o projeto leva a oficina para 15 cidades pernambucanas, entre elas Fernando de Noronha, Petrolina, Salgueiro e Recife.




 Há duas semanas foi a vez de Santa Cruz do Capibaribe receber a oficina. Os estudantes realizaram um filme sobre o rio que dá nome a cidade, o Capibaribe, um dos mais importantes do Estado de Pernambuco. O título por si só já levanta uma reflexão: "Cadê o rio que tava aqui?". O tema foi escolhido pelos próprios alunos após a realização de dinâmicas de criação coletiva. O documentário apresenta imagens raras do rio e também traz entrevistas com moradores da cidade. Dos mais velhos aos mais jovens, as memórias afetivas sobre o rio levantam uma reflexão acerca da poluição deste rio que sangra.






 “Em Santa Cruz do Capibaribe pude notar um grande senso crítico nos alunos. Eles quiseram propor um tema bastante relevante e isso mostra o quanto eles observam e pensam sobre o mundo ao seu redor. Foi um desafio realizar um filme em tão pouco tempo, mas os estudantes conseguiram se articular muito bem dentro de cada função”, afirma Marlom Meirelles, coordenador do projeto.
 Sobre o projeto documentando - Nas aulas, lições teóricas e práticas sobre cinema, com a realização de documentários captados em vídeo digital. A ideia é tornar os participantes aptos para atuar nas áreas da direção, fotografia, roteiro, produção, sonoplastia e edição. Além disso, os alunos também desenvolvem pesquisas nos campos da história, da estética, da crítica e da preservação.
 O projeto, realizado pela Eixo Audiovisual, através do incentivo do Funcultura / Governo de Pernambuco, se torna ainda mais inclusivo ao não exigir que os participantes possuam qualquer conhecimento prévio sobre cinema. Para participar, basta que o interessado seja natural da cidade beneficiada ou de cidades circunvizinhas.

 “Durante a oficina, todos tem acesso a informações cruciais sobre a linguagem cinematográfica e as etapas e funções numa produção, além de conhecerem as técnicas básicas de captação e edição de vídeo”, explica Marlom, que participou no ano passado do Festival Internacional de Documentários de Amsterdam (IDFA) e também atua como jurado do festival internacional Top Shorts. Ele, que se formou na segunda turma de cinema do Norte/Nordeste, trabalha com formação audiovisual em várias instâncias.
 Para encerrar com categoria as lições, ao fim de cada oficina os estudantes devem apresentar um documentário com duração de 5 a 10 minutos que aborde aspectos socioculturais e históricos dos municípios. A temática é livre e escolhida através de exercícios coletivos.
Confira o documentário "Cadê o rio que tava aqui" clicando no link abaixo:

Do: Blog Agreste Notícia




Sem comentários:

Enviar um comentário