Quase um terço da água distribuída em SP é desperdiçada em vazamentos e fraudes Número é maior do que o registrado há três anos, no período pré-crise hídrica; governo diz que perdas são normais, pois pressão não é mais diminuída.

Quase um terço da água distribuída em SP é desperdiçada em vazamentos e fraudes
Número é maior do que o registrado há três anos, no período pré-crise hídrica; governo diz que perdas são normais, pois pressão não é mais diminuída.


 O   desperdício de água na Grande São Paulo atualmente é maior do que o registrado há três anos, no período pré-crise hídrica. Vazamentos e fraudes fazem com que 31,2% da água distribuída na Grande São Paulo não cheguem às torneiras. O percentual é maior que o registrado em janeiro de 2014: naquela época, 31% da água produzida era desperdiçada.
Dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) obtidos pelo SPTV via Lei de Acesso à Informação indicam que o racionamento hídrico refletiu na diminuição do desperdício: em setembro de 2015 o número caiu para 26,8%. Um ano depois, porém, passou o percentual da crise hídrica, chegando a quase um terço do que é produzido.




Isso significa que, em um ano, a Grande São Paulo perdeu 573 milhões de metros cúbicos de água. Isso é o suficiente para abastecer todas as casas da região metropolitana durante 4 meses. É como se fossem jogadas fora três represas do tamanho da Guarapiranga.
Sobre as perdas de água na distribuição, o secretário estadual de Recursos Hídricos, Benedito Braga, disse que esse aumento é normal, já que na época da crise a companhia de distribuição reduzia a pressão à noite em várias regiões. Isso fazia com que as perdas diminuíssem.




Gastos
Os gastos em geral também aumentaram. Em março de 2014, início da crise, estava nas alturas: 180 milhões de metros cúbicos. Um ano depois caiu para 145 milhões de metros cúbicos, reflexo do incentivo do governo para quem economizasse água.
No segundo semestre de 2015, porém, voltou a crescer e, em setembro de 2016, já sem o incentivo à economia, aumentou para mais de 159 milhões de metros cúbicos.
Questionado se o governo não teme que o consumo volte a subir e chegar aos níveis pré-crise, o secretário estadual de Recursos Hídricos disse que foram feitas obras para evitar novos problemas.
“Mesmo com o consumo maior, com a infraestrutura que nós colocamos no lugar com essas novas obras nós vamos ter uma disponibilidade de água naior do que tínhamos em princípio”, afirmou Benedito Braga. “Além disso o que nós aprendemos com a crise é que nós temos meio de trabalhar um plano de contingência na eventualidade de uma situação muito complicada.”




Consumo de água aumentou após a crise hídrica na Grande SP (Foto: Reprodução/TV Globo)
SAIBA MAIS


Comentários